search
top

“Felizes são aqueles que de ti recebem forças”

Instruções para a oração:
  - Procure fazer silêncio interior e exterior e leia calmamente a passagem (mais de uma vez se for preciso).
  - Pergunte ao Senhor, o que Ele quer lhe dizer através deste texto.
  - Tente perceber qual é o trecho que chama mais sua atenção, que lhe toca mais e detenha-se nele para descobrir o chamado que Deus lhe faz.
  - As perguntas são para colaborar para que a oração seja diálogo com Jesus. Use-as, se achar que podem realmente lhe ajudar.
  - Agradeça a Deus por tudo o que tem lhe dado e peça forças para ser fiel ao que hoje Ele lhe falou ao coração.

PREPARAÇÃO ESPIRITUAL

 

Espírito Santo, ilumina-me para que, junto com Maria, possa acolher a Palavra.

Espírito Santo, faze-me dócil para receber a mensagem que tens preparado para mim.

Espírito Santo, ajuda-me neste tempo de espera,

a fim de poder encarnar a Boa-Nova e partilhá-la com os demais.

Amém.

 

 

TEXTO BÍBLICO: Lc 2.41-52

Jesus no Templo

 

41Todos os anos os pais de Jesus iam a Jerusalém para a Festa da Páscoa. 42Quando Jesus tinha doze anos, eles foram à Festa, conforme o seu costume. 43Mas Jesus tinha ficado em Jerusalém, e os seus pais não sabiam disso. 44Eles pensavam que ele estivesse no grupo de pessoas que vinha voltando e por isso viajaram o dia todo. Então começaram a procurá-lo entre os parentes e amigos. 45Como não o encontraram, voltaram a Jerusalém para procurá-lo. 46Três dias depois encontraram o menino num dos pátios do Templo, sentado no meio dos mestres da Lei, ouvindo-os e fazendo perguntas a eles. 47Todos os que o ouviam estavam muito admirados com a sua inteligência e com as respostas que dava. 48Quando os pais viram o menino, também ficaram admirados. E a sua mãe lhe disse:

— Meu filho, por que foi que você fez isso conosco? O seu pai e eu estávamos muito aflitos procurando você.

49Jesus respondeu:

— Por que vocês estavam me procurando? Não sabiam que eu devia estar na casa do meu Pai?

50Mas eles não entenderam o que ele disse.

51Então Jesus voltou com os seus pais para Nazaré e continuava a ser obediente a eles. E a sua mãe guardava tudo isso no coração.

52Conforme crescia, Jesus ia crescendo também em sabedoria, e tanto Deus como as pessoas gostavam cada vez mais dele.

 

 

 

1. LEITURA

Que diz o texto?

 

 

* Algumas perguntas para ajudá-lo em uma leitura atenta…

 

1. Aonde iam José e Maria para a festa da Páscoa, todos os anos, e por quê?

2. O que lhes aconteceu em uma das idas, quando Jesus tinha doze anos?

3. Durante quantos dias o procuraram e onde o encontraram?

4. O que lhe repreendem Maria e José, e o que Jesus lhes responde?

5. Eles entenderam a resposta de Jesus naquele momento?

6. O que fez Jesus em seguida, e o que Maria costumava fazer?

 

 

* Algumas pistas para compreender o texto:

 

Mons. Damian Nannini1

 

 

A família de Nazaré era cumpridora da Lei de Deus que mandava peregrinar a Jerusalém pelo menos para a festa da Páscoa. Era um acontecimento especial para as pessoas do interior, que iam em caravana, rezando e cantando.

Menciona-se que Jesus havia completado doze anos. Possivelmente era a idade da maturidade, e ele, portanto, podia participar da peregrinação e da festa da Páscoa em Jerusalém.

A festa em Jerusalém transcorreu sem inconvenientes, mas quando o grupo empreende a volta para casa, inclusive Maria e José, Jesus permanece na cidade santa sem avisar seus pais. Passados três dias de angustiosa busca, encontram-no: “…encontraram o menino num dos pátios do Templo, sentado no meio dos mestres da Lei, ouvindo-os e fazendo perguntas a eles” (2.46.

A grande pergunta é por que Jesus fez isso, ou seja, ficar sem avisar seus pais. A própria Maria o expressa em sua pergunta, em tom de compreensível desgosto: “Quando os pais viram o menino, também ficaram admirados. E a sua mãe lhe disse: ‘Meu filho, por que foi que você fez isso conosco? O seu pai e eu estávamos muito aflitos procurando você’” (2.48).

A resposta de Jesus a esta interpelação de sua Mãe é algo enigmático, porquanto sugere que seus pais não deveriam tê-lo buscado sabendo que devia estar na casa do seu pai (Deus), ocupar-se das coisas de seu

Pai. Com efeito, a resposta de Jesus revela-se desconcertante para Maria e José, mas através dela o evangelista deixa claro que o único Pai de Jesus é Deus, tal como o anjo havia anunciado a Maria.

“Ele deve estar com o Pai, e assim fica evidente que o que pode parecer desobediência, ou uma liberdade desconsiderada em relação aos pais, é, na realidade, precisamente uma expressão de sua obediência filial. Ele não está no templo por rebelião a seus pais, mas justamente como quem obedece, com a mesma obediência que o levará à cruz e à ressurreição” (J. Ratzinger). Portanto, nas primeiras palavras de Jesus que o evangelho de Lucas nos refere, Jesus dirige-se a Deus chamando-o ‘meu Pai” e revelando que esta relação Pai-Filho tem um caráter transcendente e único, que supera a simples compreensão humana, incluindo-se a de Maria, sua mãe.

Por outro lado, pensamos que a intenção da resposta de Jesus foi, de certa maneira, “educar” seus pais na aceitação da primazia absoluta de Deus, do Pai. Segundo a interpretação de muitos Padres da Igreja, Jesus quis, deste modo, levá-los ao verdadeiro Pai. O certo é que Maria e José, como todos os pais, tiveram de “aprender” a “entregar” seu Filho a Deus, a reconhecer sua soberania sobre todo ser humano.

Superado este “incidente”, tudo volta à “normalidade”, pois Jesus volta para casa com Maria e José, e permanece obediente a eles. E ali, na vida oculta e familiar de Nazaré, “Jesus ia crescendo também em sabedoria, e tanto Deus como as pessoas gostavam cada vez mais dele” (2.52).

Não se tratou, portanto, de um ato de rebeldia e de menosprezo de sua família. Foi um momento de “revelação” da identidade profunda de Jesus que supera a percepção natural e que requer sua aceitação pela fé.

 

O que o Senhor me diz no texto?

 

Esta Festa da Sagrada Família é celebrada no domingo seguinte ao Natal como um prolongamento deste mistério. Com sua Encarnação, Deus santificou o homem, redimiu-o. Contudo, não somente o homem considerado individualmente, mas o homem com seus vínculos mais profundos e vitais. Aqui é onde entra, como pleno direito, a realidade da família. Jesus nasceu, cresceu e viveu com sua família; por essa razão é que a chamamos de Sagrada Família. A partir dela, podemos e devemos iluminar a vida de todas as famílias.

O evangelho oferece-nos algumas pistas para meditar sobre a família. Em primeiro lugar, apresenta-nos a Sagrada Família como cumpridora da lei do Senhor, visto que não se sentiram dispensados de cumprir a vontade de Deus manifestada em sua Lei e que obrigava todos os israelitas à peregrinação anual a Jerusalém para a Páscoa.

No entanto, o regime da Lei está prestes a ser transformado e elevado pela Graça, pelo “vinho novo” que Jesus traz. Por isso, Maria e Jose foram os primeiros a ser surpreendidos/confundidos por esta “irrupção” do Reino de Deus com toda a sua carga de novidade. E esta irrupção do Reino, do verdadeiramente

sobrenatural, na esfera do natural, tem o mesmo caráter de necessidade que Jesus tinha de cumprir a Vontade do Pai. Em relação à família, concretamente, podemos afirmar que, principalmente hoje, é necessária a Graça para salvá-la; que ela precisa aceitar Jesus, pela fé, para poder continuar sendo verdadeira família, comunidade de vida e amor, com um pai (varão), uma mãe (mulher) e filhos.

É muito importante voltar a colocar a pedra angular, o fundamento, a rocha sólida: Jesus. Foi ele a quem perdemos e a ele é que devemos sair a procurar, como Maria e José. Quanto a isso, precisamos discernir, pois há uma perda da presença de Jesus cuja causa é moral. Neste sentido, o pecado é realmente o único que pode distanciá-lo de nós. Contudo, há outra perda de Jesus que é, antes de tudo, uma purificação, um chamado a uma busca em nível superior. Tal é a perda de Jesus que Maria e José experimentaram. Na verdade, toda a vida do cristão é uma contínua busca do Senhor, que às vezes parece que brinca de esconde-esconde conosco. Diante disso, é preciso descartar a causa moral, o pecado consentido. Excluída esta possibilidade, trata-se, pois, de uma purificação, de um chamado ao crescimento na fé, a uma nova revelação do Pai.

A respeito do amor na família, dizia o Papa Francisco: “Se o amor for uma relação (…), constrói-se como uma casa. (…) E não desejais alicerçá-la sobre a areia dos sentimentos que vão e voltam, mas sobre a rocha do amor autêntico, do amor que provém de Deus. A família nasce deste desígnio de amor, que quer crescer como se constrói uma casa que se torne um lugar de carinho, de ajuda, de esperança e de apoio” (Aos noivos que se preparam para o matrimônio, 14 de fevereiro de 2014).

Finalmente, a família deve buscar Jesus para encontrar nele seu Salvador e sua salvação.

 

Continuemos nossa meditação com estas perguntas:

 

1. Cumpro com minhas obrigações familiares, ou ficam sempre por último?

2. Qual a qualidade do tempo que dedico à minha família?

3. Procuro partilhar a fé e as festas com minha família?

4. Preparo-me para formar uma família que tenha como rocha sólida Jesus e o amor que ele nos dá?

5. Aceito que o matrimônio é uma vocação e um caminho de santidade?

 

O que respondo ao Senhor que me fala no texto?

 

Obrigado, Deus Pai, pelo dom da família.

Obrigado pela paternidade de José e pela maternidade de Maria.

Obrigado por tornar-nos parte do crescimento de Jesus que é o de todos nós.

Concede-me a graça de poder experimentar minha família, biológica ou espiritual, como vínculo vital.

Jesus, faze com que eu seja sempre buscador de tua Pessoa e de teu Projeto.

Que juntamente com meus irmãos de comunidade,

saibamos todos construir a grande família que sonhaste.

Assim, o Reino será palpável e uma vez mais, junto a ti, poderemos ocupar-nos dos assuntos do Pai.

Amém.

 

4. CONTEMPLAÇÃO

Como ponho em prática, em minha vida, os ensinamentos do texto?

 

“Maria e José, ajudem-me sempre a buscar Jesus e seu Projeto”.

 

5. AÇÃO

Com que me comprometo para demonstrar mudança?

 

Durante esta semana, proponho-me partilhar um tempo especial com minha família.

 

 

“O futuro depende, em grande parte, da família. Ela traz consigo o próprio amanhã da sociedade; seu papel especialíssimo é o de contribuir eficazmente para um futuro de paz”

São João Paulo II

One Response to ““Felizes são aqueles que de ti recebem forças””

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

top