search
top

O fruto do discípulo é o amor (JO 15,9-17)

Instruções para a oração:
  - Procure fazer silêncio interior e exterior e leia calmamente a passagem (mais de uma vez se for preciso).
  - Pergunte ao Senhor, o que Ele quer lhe dizer através deste texto.
  - Tente perceber qual é o trecho que chama mais sua atenção, que lhe toca mais e detenha-se nele para descobrir o chamado que Deus lhe faz.
  - As perguntas são para colaborar para que a oração seja diálogo com Jesus. Use-as, se achar que podem realmente lhe ajudar.
  - Agradeça a Deus por tudo o que tem lhe dado e peça forças para ser fiel ao que hoje Ele lhe falou ao coração.

Assim como o meu Pai me ama, eu amo vocês; portanto, continuem unidos comigo por meio do meu amor por vocês. Se obedecerem aos meus mandamentos, eu continuarei amando vocês, assim como eu obedeço aos mandamentos do meu Pai e ele continua a me amar.        Eu estou dizendo isso para que a minha alegria esteja em vocês, e a alegria de vocês seja completa. O meu mandamento é este: amem uns aos outros como eu amo vocês. Ninguém tem mais amor pelos seus amigos do que aquele que dá a sua vida por eles. Vocês são meus amigos se fazem o que eu mando. Eu não chamo mais vocês de empregados, pois o empregado não sabe o que o seu patrão faz; mas chamo vocês de amigos, pois tenho dito a vocês tudo o que ouvi do meu Pai. Não foram vocês que me escolheram; pelo contrário, fui eu que os escolhi para que vão e deem fruto e que esse fruto não se perca. Isso a fim de que o Pai lhes dê tudo o que pedirem em meu nome. O que eu mando a vocês é isto: amem uns aos outros.

Resultado de imagem para Jesus, a videira

Jesus não quer uma adesão de servos que obedecem a um senhor, mas uma adesão livre, de amigos.

Na oração de hoje Jesus nos faz um pedido e nos da uma ordem, uma missão. A natureza de Deus se revela ao mundo quando nós produzimos muito fruto, ou seja, através das nossas ações revelamos de quem somos discípulos.

Jesus fala da sua relação com o pai para que possamos entender a relação que ele quer que tenhamos com ele, “Assim como o meu Pai me ama, eu amo vocês,” e nos faz um pedido para que permaneçamos no seu amor. Mas como ele sabe das nossas limitações, ele nos dá a receita para que possamos permanecer: OBEDECER AOS SEUS MANDAMENTOS. Qual o nível de obediência ele nos pede? Assim como ele obedeceu aos mandamentos do pai e permaneceu no seu amor! Ele nos fala de uma ALEGRIA que ele está sentindo e quer que esta alegria esteja em nós, creio que é essa alegria do evangelho a que nos fala o Papa Francisco, não a de falar do evangelho, mas de vivê-lo concretamente, Jesus não esta falando de uma teoria, mas de uma prática que ele experimentou intensamente, que trás uma alegria imensurável.

Ele nos ordena, o meu mandamento é este: “amem uns aos outros como eu amo vocês.” Qual o nível de amor ele nos pede? Como ele nos amou! Como Jesus nos amou? Vejamos, ele foi obediente ao pai seguindo em tudo os seus mandamentos, sendo fiel a sua missão. Ele declarou publicamente sem medo: “Pai, se queres, afasta de mim este cálice; contudo, não seja feita a minha vontade, mas a tua”. LC 22, 42  “Bem como o Filho do homem não veio para ser servido, mas para servir, e para dar a sua vida em resgate de muitos.” MT 20, 28   “O ladrão não vem senão a roubar, a matar, e a destruir; eu vim para que tenham vida, e a tenham com abundância. Eu sou o bom Pastor; o bom Pastor dá a sua vida pelas ovelhas. JO 10, 10 – 11       E assim ele mostrou a todos que o nosso Deus não é um Deus do mais ou menos, não se contenta com pouco. É Esse o nível de amor que ele propõe. Um amor maior, maior do que aquele que podemos  experimentar longe do seu amor, um amor que transcende a nós mesmos…

Ele fala da sua relação conosco, como relação de amigos porque ele comunicou a nós através de suas palavras e ações tudo o que aprendeu do Pai. Ele nos lembra de que foi ele que nos escolheu, confiou em nós, e explica porque nos escolheu: “Não foram vocês que me escolheram; pelo contrário, fui eu que os escolhi para que vão e deem fruto e que esse fruto não se perca. Isso a fim de que o Pai lhes dê tudo o que pedirem em meu nome.” Aí ele reitera o mandamento: “O que eu mando a vocês é isto: amem uns aos outros.”

Hoje celebramos o dia de São Matias, Apóstolo. Ele foi escolhido para ocupar o lugar de Judas Iscariotres At 1, 15-26. Matias se tornou um dos doze Apóstolos depois da morte e ressurreição de Jesus. Mas ele conviveu com Jesus e os seus discípulos Atos 1:21-26. A pesar de não ser um dos doze desde o início, Matias foi um discípulo de Jesus e acompanhou o ministério do Mestre desde o início. Portanto, ele conheceu Jesus pessoalmente. Certamente deve ter sido um dos setenta e dois discípulos que Jesus enviou a pregar pelas cidades conforme Lucas 10, 1-24. Matias era, portanto, um discípulo fiel de Jesus. Tanto que estava lá, presente entre os seguidores do Mestre, após a morte, ressurreição e Ascenção do Senhor.

Segundo a Tradição, o Apóstolo São Matias, depois de receber a força do Espírito Santo em Pentecostes, saiu em missão para evangelizar a Judéia, a região da Capadócia e, depois, ainda esteve nas terras distantes da Etiópia. Sua missão foi eficaz e converteu a muitos em todos esses lugares. Por isso mesmo, ele sofreu duras perseguições até o martírio. Sabe-se que ele testemunhou até o fim sua fidelidade a Jesus, a despeito das injúrias, das torturas e da morte. Por causa de seu testemunho, muitos se converteram à fé em nosso Senhor Jesus Cristo.

Vivemos essa dicotomia do permanecer e não permanecer, Judas apesar de ser um dos doze não vivia em comunhão com Jesus, Matias mesmo não sendo um dos doze vivia em comunhão com Jesus… Esse é o nosso desafio nos dias de hoje, encontrar um caminho em nossa rotina diária que esteja em comunhão com os projetos do Reino… Santa Teresa dizia que: “Em meio às panelas, também anda o Senhor”. Ela Pôde encontra-lo em sua rotina diária, porque vivia a admoestação de São Paulo: “Quer comais, quer bebais, quer façais qualquer outra coisa, fazei tudo para a glória de Deus” (1Cor 10, 31). Em outras palavras: ela vivia na presença de Deus.

Que Santa Tereza e São Matias intercedam por nós para que possamos receber continuamente a seiva do amor para que possamos dar os frutos que o Pai espera de Nós. Gostaria de concluir com a Oração a São Matias:

“São Matias, és agora testemunha do Senhor, como apóstolo chamado em lugar do traidor. Do perdão de Deus descrendo, Judas veio a se enforcar; como o salmo anunciara, passe a outro o seu lugar. Por proposta de São Pedro, que preside a reunião, lançam sorte, e eis teu nome! Quão sublime vocação! E a tal ponto te consagras em levar ao mundo a luz, que proclamas com teu sangue o evangelho de Jesus. Dá que todos nesta vida percorramos com amor o caminho revelado pela graça do Senhor. Uno e Trino, Deus derrame sobre nós a sua luz; conquistemos a coroa, abraçando a nossa cruz!”

Agostinho Augusto – Família missionária Verbum Dei – Belo Horizonte MG.

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

top