search
top

Sl 128.5 “Que, do monte Sião, o Senhor o abençoe! Que, em todos os dias da sua vida, você veja o progresso de Jerusalém!”

Instruções para a oração:
  - Procure fazer silêncio interior e exterior e leia calmamente a passagem (mais de uma vez se for preciso).
  - Pergunte ao Senhor, o que Ele quer lhe dizer através deste texto.
  - Tente perceber qual é o trecho que chama mais sua atenção, que lhe toca mais e detenha-se nele para descobrir o chamado que Deus lhe faz.
  - As perguntas são para colaborar para que a oração seja diálogo com Jesus. Use-as, se achar que podem realmente lhe ajudar.
  - Agradeça a Deus por tudo o que tem lhe dado e peça forças para ser fiel ao que hoje Ele lhe falou ao coração.

PREPARAÇÃO ESPIRITUAL

Espírito Santo, faze-te presente neste encontro com a Palavra.

Espírito Santo, derrama-te neste momento

e em cada lugar onde eu me encontre.

Espírito Santo, toca meu coração neste tempo de esperança.

Espírito Santo, ajuda-me a buscar o sentido do eterno

junto aos meus irmãos.

Amém.

 

TEXTO BÍBLICO: Mt 2.13-15.19-23

A fuga para o Egito

13Depois que os visitantes foram embora, um anjo do Senhor apareceu num sonho a José e disse:

— Levante-se, pegue a criança e a sua mãe e fuja para o Egito. Fiquem lá até eu avisar, pois Herodes está procurando a criança para matá-la.

14Então José se levantou no meio da noite, pegou a criança e a sua mãe e fugiu para o Egito. 15E eles ficaram lá até a morte de Herodes. Isso aconteceu para se cumprir o que o Senhor tinha dito por meio do profeta: “Eu chamei o meu filho, que estava na terra do Egito.”

 

A volta do Egito

19Depois que Herodes morreu, um anjo do Senhor apareceu num sonho a José, no Egito, 20e disse:

— Levante-se, pegue a criança e a sua mãe e volte para a terra de Israel, pois as pessoas que queriam matar o menino já morreram.

21Então José se levantou, pegou a criança e a sua mãe e voltou para a terra de Israel. 22 Depois de receber num sonho mais instruções, José foi para a região da Galileia 23e ficou morando numa cidade chamada Nazaré. Isso aconteceu para se cumprir o que os profetas tinham dito: “O Messias será chamado de Nazareno.”

 

1. LEITURA

Que diz o texto?

 

ü  Algumas perguntas para ajudá-lo em uma leitura atenta…

 

1. O que ordena o anjo do Senhor a José e por quê?

2. O que faz José diante deste pedido?

3. A quem se referia a citação do profeta que se cumpre agora em Jesus?

4. Quando é que o anjo do Senhor aparece de novo a José e o que lhe pede?

5. O que faz José diante deste pedido?

6. Onde José ficou morando com Maria e Jesus?

 

 

 

ü  Algumas pistas para compreender o texto:

Mons. Damian Nannini[1]

 

Em Mt 2.13-15 nos é contada a fuga da Sagrada Família para o Egito diante da ameaça de morte por parte de Herodes. O motivo profundo desta violenta e irracional reação perante o nascimento de Jesus é o medo de perder o poder.

O surpreendente é que tudo isto acontece segundo o plano de Deus estabelecido na Escritura, segundo o prova a citação de cumprimento que aqui é Os 11.1: “Eu chamei o meu filho, que estava na terra do Egito.” No profeta, este texto se referia ao êxodo como graça salvadora de Iahweh-Pai em favor de seu povo-filho. Aqui se aplica claramente a Jesus, o Filho. Deste modo, Mateus estabelece um claro paralelo entre o destino do povo de Israel e o de Jesus, indicando que na história de Jesus se repete a história de Israel, que Jesus compartilha a experiência do êxodo.

Como bem observa L. H. Rivas, a fuga para o Egito não tem nada de romântica. É uma fuga noturna, deixando tudo e arriscando-se aos inúmeros perigos de viajar naqueles tempos. Vale a mesma coisa para a estada no Egito, país estrangeiro, com outro idioma, outros costumes e outra religião. Nada disto deve ter sido fácil para a Sagrada Família. A fé de Maria e de José deve ter sido provada nestas circunstâncias adversas. Contudo, não pensaram em si mesmos, mas na vida de Jesus, que deviam proteger.

Em Mt 2.19-23 se narra que à morte de Herodes, o anjo do Senhor ordena que a Sagrada Família volte para Israel. O ponto de retorno deveria ter sido Belém, na Judeia; no entanto, diante de novo clima de perseguição, ele findam por estabelecer-se em Nazaré, na Galileia.

A citação de cumprimento desta subunidade “será chamado Nazareno” não é identificada com exatidão. Inclusive a fórmula de introdução não é habitual. O certo é que, mediante esta referência, Mateus busca justificar a origem galileia de Jesus e harmonizar com o messianismo davídico vinculado a Belém.

Os deslocamentos da Sagrada Família (ida ao Egito e retorno de lá) coincidem com o itinerário dos patriarcas Abraão e Jacó. Deste modo, apresenta-se Jesus revivendo as migrações do povo de Israel em sua história.

Estamos diante de uma família perseguida por um tirano. José e Maria são plenamente obedientes à Palavra de Deus. Herodes planeja o mal, quer matar Jesus, mas Deus, como Senhor da história, antecipa-se aos cruéis desígnios do tirano e salva a vida do Menino. A Sagrada Família salva-se por sua fidelidade à Palavra de Deus manifestada pelo anjo do Senhor.

 

2. MEDITAÇÃO

O que o Senhor me diz no texto?

 

Esta Festa da Sagrada Família é celebrada no domingo subsequente ao Natal como prolongamento deste mistério. Com sua Encarnação, Deus santificou o ser humano, redimiu-o. Contudo, não apenas o ser humano considerado individualmente, mas com seus vínculos mais profundos e vitais. Aqui é onde entra, com pleno direito, a realidade da família. Jesus nasceu, cresceu e viveu com sua família; por isso é que a chamamos de Sagrada Família. A partir dela podemos e devemos iluminar a vida de todas as famílias.

A este respeito, dizia o Papa são Paulo VI, em sua homilia em Nazaré, em 1964: “Uma lição de vida familiar. Que Nazaré nos ensine o significado da família, sua comunhão de amor, sua beleza simples e austera, seu caráter sagrado e inviolável; aprendamos de Nazaré como é doce e insubstituível sua pedagogia; aprendamos como é fundamental e incomparável sua função no plano social”. E o Papa Bento XVI, alguns anos depois, também dizia, no mesmo lugar: “Como disse aqui o Papa Paulo VI, todos nós temos necessidade de voltar a Nazaré para contemplar sempre de novo o silêncio e o amor da Sagrada Família, modelo de cada vida familiar cristã. Aqui, segundo o exemplo de Maria, de José e de Jesus, podemos chegar a valorizar ainda mais a santidade da família que, no desígnio de Deus, se fundamenta na fidelidade de um homem e de uma mulher para a vida inteira, consagrada pelo pacto conjugal e aberta ao dom de novas vidas por parte de Deus. Como os homens e as mulheres do nosso tempo têm necessidade de apropriar-se novamente desta verdade fundamental, que está na base da sociedade, e como é importante o testemunho de cônjuges em ordem à formação de consciências maduras e à construção da civilização do amor!” (14 de maio de 2009).

O exemplo da família de Nazaré pode ser traduzido em algo bem prático, como o propôs o Papa Francisco em seu Discurso às famílias do mundo, por ocasião de sua peregrinação a Roma no Ano da Fé: “Algumas semanas atrás, nesta praça, disse que, para levar por diante uma família, é necessário usar três palavras. Três palavras: com licença, obrigado, desculpa. Três palavras-chaves! Peçamos licença para não ser invasivos em família. ‘Posso fazer isto? Gostas que faça isto?’ Com a linguagem de quem pede licença. Digamos obrigado, obrigado pelo amor! Mas dize-me: Quantas vezes ao dia dizes obrigado à tua esposa, e tu ao teu marido? Quantos dias passam sem eu dizer esta palavra: obrigado! E a última: desculpa. Todos erramos e às vezes alguém fica ofendido na família e no casal, e algumas vezes – digo eu – voam os pratos, dizem-se palavras duras… Mas ouvi este conselho: Não acabeis o dia sem fazer a paz. A paz faz-se de novo cada dia em família! «Desculpai-me»…, e assim se recomeça de novo. Com licença, obrigado, desculpa! Podemos dizê-lo juntos? (respondem: Sim!). Com licença, obrigado, desculpa! Pratiquemos estas três palavras em família. Perdoar-se cada dia!” (26 de outubro de 2013).

 

 

Continuemos nossa meditação com estas perguntas:

 

1. Que qualidade de tempo dedico à minha família?

2. Procuro compartilhar a fé e as festas com minha família?

3. Preparo-me para formar uma família que tenha como rocha sólida Jesus e o amor que nos concede?

4. Utilizo o coração e com frequência as palavras: “Com licença, obrigado, desculpe”?

5. Aceito que o matrimônio é uma vocação e um caminho de santidade?

 

3. ORAÇÃO

O que respondo ao Senhor que me fala no texto?

 

Obrigado, Jesus, Maria e José, pela vida que levaram.

Queremos que, no cotidiano, sejam nossos companheiros.

Pedimos-lhes por todas as famílias, por cada matrimônio.

Que a fidelidade de vocês chegue até hoje e nos leve

a percorrer juntos este caminho de santidade.

Amém.

4. CONTEMPLAÇÃO

Como ponho em prática, em minha vida, os ensinamentos do texto?

 

“Jesus, Maria e José, ajudem-me a ser fiel ao plano de Deus”.

 

5. AÇÃO

Com que me comprometo para demonstrar mudança?

 

Durante esta semana, proponho-me aproximar-se de alguém de minha família e partilhar um momento fraterno.

 

“O futuro depende, em grande parte, da família, que leva consigo o porvir mesmo da sociedade; seu papel especialíssimo é o de contribuir eficazmente com um futuro de paz”.

São João Paulo II

 

 Dom Damián Nannini é bispo da Diocese de San Miguel (Argentina); licenciado em Sagrada Escritura pelo Pontifício Instituto Bíblico de Roma.

 

 

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

top